Você está aqui: Primeira página » Esportes
Edição nº 372 | Ano XVIII | Fechada em 12/05/12 às 13h15
Cadernos
 Campus
 Cultura
 Eleições 2012
 Esportes
 Geralis
 Porto
 Regional
 Saúde
 Primeira página

Contato
 Escreva para nós
 Sugira uma pauta
 Colabore conosco

Sobre o Online
 Expediente
 Arquivo
 História

 Parceria InfoSpace
 Parceria U-Wire
 RSS

Especiais
 Eleições 2004
 Eleições 2006
 Intercom 2007

 Eleições 2008
 Eleições 2010
 Copa do Mundo 2010

 

 

 
Praia Grande utiliza floorball como meio de inclusão social
sábado, 12 de maio de 2012

Joyce Serra

Envie esta matéria para um amigo Imprima esta matéria

 Joyce Serra

O floorball foi criado na década de 50 nos Estados Unidos como uma alternativa ao hóquei no gelo. Estudantes levaram o esporte à Suécia, onde ele foi adaptado, ganhou regras e equipamentos próprios. O floorbal chegou ao Brasil no final da década de 90, era restrito à comunidade escandinava em São Paulo. Posteriormente, passou a ser ensinado em clubes voltados para o público como meio de inclusão social.

Na Baixada Santista, existem dois times, o ICEPG Floorball, na Praia Grande, e o Barracudas Floorball, de Santos.

Na Praia Grande, o floorball começou a ser praticado em agosto de 2010, uma iniciativa da Igreja Cristã Evangélica, do Boqueirão. O objetivo é promover a inclusão social e exercitar o corpo de forma divertida. Os missionários suíços Matthias e David são os responsáveis por ensinar o esporte, além de dividir suas experiências pelo mundo.

Segundo Carlos Manzolla, 31 anos, técnico do time ICEPG, eles ainda não jogam profissionalmente, usam o esporte como forma de entreter crianças e adolescentes para algo divertido e saudável. Não possuem um número fixo de participantes, já que surgem várias pessoas interessadas em jogar, mas logo abandonam os treinos.

Cerca de 20 pessoas praticam com regularidade, entre crianças, adolescentes e adultos. A ideia é formar um time oficial, para a disputa de campeonatos. Ainda falta patrocínio, o que inclui a compra de equipamentos.

Os equipamentos para os jogos são adquiridos pelo Ministério de Esportes da Igreja, que ajuda a manter o time, e são doados pelos suíços. Alguns jogadores compram seu próprio equipamento, que são importados.

Por possuírem um número grande de equipamentos que foram doados, a cada oito presenças em treinos, o aluno tem o direito de comprar o taco e a bolinha pelo valor de R$ 50. De acordo com Manzolla, é uma forma de incentivar a participação dos jogadores.

Isakue Silva Bispo, 10 anos, ocupa a posição de goleiro no time, foi chamado para participar por um amigo que começou a treinar. Ele joga há dois anos e diz ter vontade de aprender mais para atuar profissionalmente. A quadra onde treinam está em reforma desde novembro de 2011.

Fundação Casa- Por isso, o grupo tenta improvisar locais para os treinos. Sempre que possível fazem visitas à Fundação Casa (antiga Febem) de São Vicente, onde praticam com os menores infratores e fazem evangelização junto a eles.

De acordo com Manzolla, o intuito do time primeiramente é se divertir; em segundo, aproveitar para evangelizar as crianças e adultos e depois difundir o esporte no Brasil. Os treinos ocorrem todas as sextas-feiras, das 19h às 21h30, na quadra da igreja, que fica na Rua São Bernardo, 108, no Boqueirão, em Praia Grande.

Qualquer pessoa pode participar, desde crianças a adultos, já que é um jogo sem violência e custo de participação."É difícil achar jogadores interessados por não ser um esporte tão conhecido" (Ulisses Molina)

O time Barracudas Floorball foi criado no início de 2011. Segundo Ulisses Molina, 28 anos, um dos responsáveis pelo time, alguns jogadores tiveram que mudar de cidade por problemas pessoais, enquanto outros não estavam conseguindo conciliar horário de trabalho e estudo com os treinos.

O time, que contava com dez jogadores, hoje possui só três, que treinam junto com o ICEPG. Eles até gostariam de manter o time, mas de acordo com Molina é difícil achar jogadores interessados por não ser um esporte tão conhecido.

Campeonato Mundial - O jogo consiste em seis jogadores, sendo cinco na linha e um goleiro. Cada um utiliza um taco, semelhante ao de hóquei. O tênis é obrigatório e apenas o goleiro utiliza equipamentos de proteção individual. A bola é de plástico leve e garante a rapidez. O jogo não permite excesso de força sobre o adversário e nem mesmo levantar o taco acima da linha da cintura.

Como em todos os esportes, o floorball também possui um campeonato mundial, chamado World Floorball Championship (WFC), disputado a cada dois anos, pelas 16 melhores seleções nacionais do mundo. A próxima edição ocorrerá em dezembro deste ano na Suíça, sendo a Suécia atual hexacampeã. O Brasil participou da fase eliminatória, mas não se classificou para a competição.


Leia também no caderno Esportes

 Skates Longboard e Carveboard estão em alta na cidade


 

 

 

 

Twitter Página do Online no Facebook RSS do Unisanta Online Comunidade do Unisanta Online no Orkut

Há 1 ano no Online


Baixe as últimas edições »

Semana de Arte Moderna: 90 anos

Um século de glórias

Última impressão

O caminho das artes

 



Divulgação Secom-PMS

Baixe as últimas edições »

Saber terceira língua já vira diferencial no mercado

Tesouro quase esquecido

Universidades distanciam pais e filhos

Excesso de telefone pode afetar a convivência social


E mais: Jornal dos Jogos »

Edições: 1 | 2


Há 1 ano no Online


Superstição: gatos pretos são discriminados na adoção

Leia mais »



Há 5 anos no Online


Jornalismo Impresso e Online têm projetos para o Intercom

Leia mais »



Há 10 anos no Online


Quase metade dos jovens está desempregada

Leia mais »

 
 

 

UNISANTA Online - Jornal-laboratório desenvolvido por alunos do segundo ano do curso de Jornalismo da Faculdade de Artes e Comunicação (FaAC) da Universidade Santa Cecília. Correspondência: Rua Oswaldo Cruz, 277 - 11045-907 - Boqueirão - Santos/SP. © 1994-2012 Universidade Santa Cecília - Todos os direitos reservados. Reprodução de textos permitida mediante autorização. As matérias publicadas são de inteira responsabilidade dos alunos-repórteres, sob a coordenação dos respectivos professores-orientadores - não representando, portanto, a opinião da instituição.